jusbrasil.com.br
9 de Abril de 2020

Vacina e o crime contra a Segurança Nacional

Ricardo Pires, Diretor Geral
Publicado por Ricardo Pires
há 8 meses

Eu tenho visto e assistido por algum tempo, inclusive sendo noticiado (publicidade indevida) pela mídia televisiva, mesmo às vezes falando contra, pessoas falando contra a vacinação, os chamados grupos antivacinação.

Me preocupa a questão e quero invocar para isso o chamado Atentado contra a Segurança Nacional. Se eu fosse Presidente da República, já teria declarado guerra contra a Venezuela e fechado a fronteira por guerra biológica (CF88 - Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: XIX - declarar guerra, no caso de agressão estrangeira (...). Pois um País, conhecedor de sua deficiência sanitária permitir que pessoas sabidas portadoras de vírus (pois não existem programas de vacinação) saiam de seu País para o processo migratório para espalhar isso em outros territórios, está sim provocando uma guerra biológica viral.

Eu considero todos os grupos antivacinas como bioterroristas ( http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/bioterrorismo.htm ), pois espalham desinformação sem comprovação científica, uma vez que a vacina já está em uso no Brasil desde 1804 e obrigatório desde 1832 [ http://www.ccms.saúde.gov.br/revolta/ltempo.html]. Nunca tivemos mortandade em razão de vacinas e sim pelas epidemias que só foram contidas pela própria vacina. Quando alguém se interpõe contra a vacinação no País, não está agindo somente contra si, e sim contra todo o povo brasileiro, pois não terá a imunidade necessária para conter um vírus e com isso, contaminar de propósito (sim, crime premeditado contra a segurança sanitária nacional) outras pessoas, mesmo que não tenha conhecimento de ser o portador de tal ameaça.

Muitos podem até dizer que isso é um exagero e que não é para tanto. Portanto sugiro um exercício sob a luz constitucional e legislativa.

CF88 - Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade ( O Código Penal traz alguns crimes que são cometidos contra a incolumidade pública, tais como incêndio, explosão, difusão de doença ou praga etc) das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: (...)

Já a LEI Nº 7.170, DE 14 DE DEZEMBRO DE 1983, que trata da Segurança Nacional define nos artigos:

(...)
Art. 22 - Fazer, em público, propaganda:
I - de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social;
(...)
Art. 23 - Incitar:
I - à subversão da ordem política ou social;
(...)

Estamos nesse momento vivendo uma epidemia de sarampo que começou na migração de venezuelanos e agora está espalhada em quase todo o território nacional. Estamos sendo bombardeados por um vírus que estava sob controle há 20 anos, pois todos já tinham sido vacinados à época.

Mas uma "nova e sábia geração" com conhecimentos científicos e formação duvidosa adquirida pela internet, de cérebros incapazes de produzir uma única linha cientificamente estruturada, falastrões desenfreados, buscam serem os messias antivacinas. E, com uma população que busca o aprendizado fácil e sem qualquer esforço, não tem como rebater estes antecipadores do juízo final, pois são burros o suficiente para não pesquisar em literaturas sérias a respeito de um tema que não é controverso. São "seguidores" de mentes medíocres e criminosas que atuam como terroristas ( https://www.significados.com.br/terrorismo/ - https://pt.wikipedia.org/wiki/Terrorismo - https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_psicol%C3%B3gica) buscando gerar o pânico na população brasileira.

A CF88, em seu artigo 5º define no:

inciso XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura , o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem.

Ainda se o terrorismo não fosse o suficiente, a lei brasileira entende como crimes hediondos que são enquadrados e expressamente previstos na Lei Nº 8.072 de 1990:

(...)
Crime de genocídio; tentado ou consumado (entenda os grupos como as pessoas não vacinadas)
Epidemia com resultado morte
(...)

Finalizando, todas as pessoas que falam contra a vacinação e buscam com isso intimidar pessoas para que não se imunizem contra doenças, podem e devem ser declaradas criminosas. O tipo de criminoso, não importa. O importante é que o Estado garanta a segurança sanitária para a população.

Podem não concordar comigo e eu entendo isso. Mas ninguém pode negar que fantasiar sem provas científicas é algo muito perigoso. Aguardo pelos seus comentários.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)